Um filme de nós dois - Fernanda França e Leila Rego



2020 - 70 Págs.
Sinopse: Skoob
Adquira: Amazon

Estou cada dia mais viciada nessas duas autoras, vocês devem ter percebido que sempre estou lendo algo delas. E quando eu soube de um conto onde os protagonistas estariam vivendo nossa realidade atual de isolamento devido o Corona vírus e tudo que esse momento implica, não tive dúvidas e comecei a ler. Em poucos dias terminei e percebi o quanto as autoras conseguiram eternizar nesse pequeno conto tudo que estamos passando nesse momento, tudo que estamos aprendendo e ficamos na torcida por sairmos dessa fase melhor do que quando entramos e mais fortalecido para enfrentar as dificuldades que ainda virão para colocar em teste nossa humanidade.

Narrado em 1ª pessoa pela Kátia, uma jovem que mora sozinha em uma quitinete e não tem com quem conversar, além dos entregadores, está deixando ela louca, assim ela decide se cadastrar no Tinder e ver no que vai dar.

"Não me preparei para a solidão."

Depois de conversar rapidamente com uns caras que não a agradaram ela encontra Jonas (Fisioterapeuta, nerd e cineastra amador) um jovem que assim como ela adora jogar xadrez e eles combinam de jogar online todas as noites e assim passam a conhecer melhor um ao outro e uma bela amizade vai nascendo. É muito divertido o primeiro encontro deles no mercado de bairro com toda medida de distanciamento, máscara etc. Amei a criatividade das autoras nessa cena.

A cada dia Kátia e Jonas estão mais próximo, mas ela acaba iniciando uma amizade com outro cara no Tinder, Roberto (esse daqueles gatos, sarados que as mulheres costumam ficar babando kkk. Ele é executivo de uma empresa de tecnologia em SP) no inicio ela não se preocupa em estar conhecendo dois homens diferentes e interessantes ao mesmo tempo, mas chega um momento  em que ela se sente traindo Jonas, já que a amizade deles começou primeiro. Pense nas trapalhandas que ela cometerá, ri demais e claro, fiquei preocupada e torcendo para ela ter sorte na escolha.

Kátia tem uma amiga de infância muito especial, a Dani é sua vizinha e ela tem uma avó muito querida e que tem papel importante no enredo, além de representar as pessoas da 'terceita idade' que estão se reinventando nessa quarententa. 

Tudo que acontece na vida de Kátia nesse isolamento e incerteza serve também para reaproximá-la dos pais. Desde que eles se separaram ela desenvolveu um certo bloqueio com eles e acabou se afastando.

Kátia e Jonas irão participar de um concurso de curta metragem, ela como roterista e ele como diretor. Isso irá deixá-los ainda mais próximos ainda. Será que eles irão ganhar esse concurso!? Com quem será que Kátia irá ficar, Jonas ou Roberto!? Façam suas apostas. E como ficará a vida de todos após a pandemia!? Leia e descubra as respostas para essas perguntas e se permita vivenciar 'Um filme de nós dois'. Fica a dica de leitura nacional rapidinha e marcante!!!

 
"Jonas se interessa de verdade por todos os assuntos. Ele escuta com interesse. Pensa, traz ideias e possíveis soluções. Ele demonstra cuidado. Nossa amizade foi a coisa mais bonita que essa pandemia me trouxe." 

"O sentido disso tudo não é ficarmos isolados com a gente mesmo para, tipo, sei lá, pensar na vida e fazer desse um lugar melhor 
quando o mundo voltar a girar?"

"Quis dar um toque de humor ao curta. A intenção não é mostrar nada sombrio e sim que temos sobrevivido à pandemia com humor, força e coragem. O humor, nos dias atuais, é fundamental 
para manter nosso equilíbrio."

"Estou usando a pandemia como desculpa para resolver problemas 
que estavam guardados embaixo do tapete."

"O humor é uma forma de ver a vida com olhos diferentes, 
mas que podem ser críticos também."

"No humor, nós invertemos os sofrimentos e 
problemas para sair da lágrima para o riso."

"O humor é poderoso e, muitas vezes, mais revelador do que o drama."

"A vida é como um partida de xadrez. Nós só precisamos valorizar 
tudo o que está no tabuleiro antes do xeque-mate."


As autoras: Leila Rego e Fernanda França 💗💗💗



UNISON - A rede social do futuro - Andy Marino



Editora: Jangada
2012 - 257 págs
Sinopse Skoob


Já tenho esse livro a muito tempo, na realidade desde de 2012 quando comprei ele no lançamento, na editora Jangada, na bienal de São Paulo. Mas confesso que sempre tive medo da linguagem ser complicada e eu não conseguir me conectar com a história. Mas depois de ver o filme 'Jogador Nº1' e ficar completamente fascinada com o mundo proposto na história, corri pra ler 'Unison' já que sua 'pegada' é semelhante e o que posso dizer, leitura maravilhosa, envolvente e de fácil compreensão. Adorei e indico a todos os fãs de ficção científica e para todos os curiosos como eu.

Começamos essa história conhecendo Ana, Mistletoe e o mundo onde vive. Mais especificamente na Pequena Saigon. Ela tem uma velha scooter que chama de Nelson que a leva para suas aventuras. Ela vive com Jiri, que cuida dela desde que ela era pequena com a ajuda da Dita, sua irmã e numa tarde ele age estranho e Mistletoe decide segui-lo. Dessa forma ela acaba presenciando a morte do tutor e resgatando Ambrose Truax, o jovem que Jiri tentava resgatar. A partir desse momento a história se desenvolve numa adrenalina sem fim até a última página. Conspirações, muita ação e uma realidade onde a inteligencia artificial e o ser humano convivem, são elementos dessa história que prende a atenção até a última página.

Essa é daquelas histórias que nos fazem refletir sobre os limites entre a ciência e a ética, sobre os avanços tecnológicos e como eles influenciam na vida das pessoas como um todo e quais consequências no vida futura da humanidade terá. Muito interessante, com 'um jeitão de distopia',  tenho certeza que irá agradar públicos diversos. Leia e tire suas conclusões!!!



"Ela se deitou de costas, a trança azul lhe servindo de travesseiro, e olhou para cima, pelas aberturas de ventilação. Ficou imaginando quantos outros jovens estariam fazendo o mesmo. Sempre que pensava em outros jovens, ela os imaginava com exatamente os mesmos pensamentos e dúvidas que ela. (...) O que importava o que pensasse sobre o que quer que fosse? Ela era um cisquinho, uma partícula minúscula, que ia viver e morrer olhando por um buraco, enquanto o mundo seguiria em frente, como se ela nunca tivesse nascido." pág.11

"UNISON: o auge de todas as redes sociais humanas. BetterLife (vida melhor). A Alucinação Coletiva. Como quer que fosse vendido e anunciado, Mistletoe não ligava a mínima. Ela não tinha nem como obter a ID (Identidade) de código fixo para ter acesso à Cidade Litorânea do Leste, quanto mais o tão desejado login para o Unison." pág.12

"Mais da metade da população pagava bem caro para ter um Perfil Unison, e era atribuição de Ambrose fazer com que todos quisessem ficar logados para sempre." pág.22

"Devido ao enriquecimento, produtos BetterFood eram muito mais nutritivos que a comida de verdade, e nunca estragavam ou tinham um gosto diferente." pág.26

"Emocionalmente, projetar-se era como passar de um funeral a uma viagem de férias num piscar de olhos. Ambrose sempre notava primeiro a luz mais forte, que tornava mais definida a silhueta dos móveis e deixava o quarto num foco perfeito e refulgente. Era como se a vida real fosse vivida por trás de uma lente embaçada, que o Unison limpava por completo. Muitos usuários descreviam a experiência como se  estivessem vendo pela primeira vez o lugar onde estavam. Outros diziam que era como ser um recém-nascido totalmente consciente." pág.27

"Facebook, Myspace (...) eram os bisavôs do Unison." pág.33

"Você não é dono de sua vida enquanto está acordado, não permita que ele roube seus sonhos também." pág.37

"Uma vez que se acostumasse à vida sem sono, ele poderia ficar de olho no Unison 24 horas por dia." pág.38

"Tia Dita dizia que morar naquele lugar significava que todos tinham que fazer sua parte para torná-lo mais bonito." pág.46

"Já era bastante duro aceitar que não era humano de todo; ver diante de si, expostas friamente, a nanotecnologia intrincada de sua constituição celular seria demais. (...) Quantas pessoas neste mundo têm a chance de investigar pessoalmente o mistério de sua própria existência?" pág.95

"A idéia de perdê-la para sempre o fez sentir uma solidão profunda. Além dele, era a única pessoa que sabia como se sente alguém ao descobrir que não é de fato humano." pág.157

"Eles estavam muito melhor sem o Unison. A maior rede social da história não passava de um ciclo interminável de confusão e frustração." pág.237



Não estava nos planos (conto) - Jariane Ribeiro



2020 - 31 págs.
Sinopse/Adquira: Amazon

Antes de mais nada, que capa linda é essa minha gente!? Sou muito visual e se uma imagem me fisga, simplesmente largo tudo e vou ler a história (parabéns ao capista) 💕💕💕💕 Adoro o trabalho da Jariane Ribeiro e quando soube do lançamento desse conto, baixei e já reservei um horário no fim de semana para conhecer 'Não estava nos planos' e garanto que mais uma vez ela me emocionou. Começei a leitura sem ler a sinopse porque queria me deixar envolver e surpreender.

Narrado em primeira pessoa pela protagonista Madá, dividido em cinco capítulos e um epílogo especial, não senti a leitura voar e quando percebi já tinha acabado e fiquei louca para compartilhar minha opinião com vocês e claro incentivar que todos leiam.

A história se passa em plena semana do dia dos namorados e isso acaba afetando Madá (21 anos) que acredita que relacionamentos amorosos podem atrapalhar seu objetivo de vencer na vida e por isso ela se fecha para as oportunidades da vida. As coisas começam a mudar quando a melhor amiga de Madá, a Glória (22 anos) 'tira cartas de Tarô' para ela e diz que ela precisa relaxar um pouco e se permitir ser feliz porque só assim sua vida começaria a se aproximar de seus objetivos.

Nesse meio tempo descobrimos que Madá teve que abrir mão de seus sonhos para ajudar sua família e por isso hoje ela trabalha muito e estuda a noite para conseguir um dia realizar seus sonhos. No cursinho ela tem um melhor amigo, Caetano (22 anos) que assim como ela também sonha alto e tem objetivos nobres, mas a vida real é dura para todos.

Iremos acompanhar as amizades, lutas e conquistas dessa jovem que sabe o valor da família e se coloca sempre em segundo lugar se isso for preciso para que todos fiquem bem. Mas quando a paixão bater a sua porta será que ela deixará ela entrar, será que ela se permitirá ser feliz e finalmente entenderá que na vida é possivel sim sonhar junto e concretizar os sonhos ao lado de alguém que nos ama muito!? Leiam e descubram tudo que a vida de Madá tem para lhes ensinar. Fica a dica de conto nacional!!!


"Em algum momento minha vida vai pra frente."

"Seu coração e mente vivem em constante duelo. Você quer viver e desfrutar de cada coisa incrível que a vida coloca em seu caminho, mas se obriga a ficar nocaminho tortuoso porque acha que sem sacrifício nunca irá vencer." 

"Seu coração precisa de amor e não estou falando 
de família porque esta te ama muito."

"Temo que se me distrair acabe apenas com as ruínas dos meus sonhos."

"Dividimos o mesmo peso de sonhar grande, mas não ter 
as condições necessárias para realizar esse sonho."

"Depois que o furação que tomou conta da minha vida passou, 
eu me vi querendo realizar todos os meus sonhos de novo."

"Amor é bom para quem tem tempo de vivenciá-lo."

"Faça o seu melhor para você mesma."

"Pare de sentir medo e vá viver sua vida."

"Você é meu motivo para lutar ainda mais."

  

Posso contar contigo, mãe? (conto) - Fernanda França e Leila Rego



2020 - 40 págs
Sinopse: Amazon


Vocês já sabem que adoro a escrita das autoras Fernanda França e Leila Rego e por isso não poderia deixar de conferir mais um conto delas e garanto que adorei. Rapidinho de ler e com certeza cheio de ensinamentos, afinal falar do 'ser mãe' já viu não é!? Nesse enredo onde a narrativa em primeira pessoa é intercalada entre a mãe (Josefa) e a filha (Jane), poderemos conhecer a experiência de vida de cada uma em relação a 'ser mãe' e como cada uma se relacionou e relaciona com a mãe e com as filhas. 

Muito interessante tudo que é apresentado e as autoras conseguem nesse conto de poucas páginas prender a atenção do leitor e fazê-lo refletir sobre sua vida e sua familia; além da formação dos laços de afeto, muitas vezes amamos tanto alguém mesmo quando não existem laços sanguínios. Eu acredito que os laços de afeto são muitas vezes mais poderosos que os de sangue, mas leiam essa história e tirem suas próprias conclusões.

"As lembranças que tenho com meus pais, da gente em família, são bem poucas."

"Enquanto crescia, sonhava que um dia eu teria uma família diferente, 
que quando eu tivesse meus próprios filhos, eles não seriam meus trabalhadores, 
eles iriam estudar, ter amigos e brincar."

"As coisas da vida a gente só aprende vivendo."

"A coisa que mais queria de minha mãe na infância, 
um abraço carinhoso, eu raramente dava aos meus filhos."

"Ser mãe é um desafio diário de proteção, mas de dar asas; de ensinar, mas de deixar aprender sozinha; de dizer não para que a vida diga sim lá na frente."

"E eu não soube explicar se era meu medo de amar aquela criança que chegava 
de mansinho em casa ou se era o medo de justamente nunca conseguir amá-la."

"Vi nessa menina uma forma de reparo. Eu ajudaria minha filha a cuidar dela. 
Pois também via em Olívia a menina que eu fui. Abandonada de cuidados e amor."

"Tem coisas que só as mães sabem. E quando eu penso na maternidade, nessa responsabilidade que nós mulheres assumimos, penso que é um grande mistério. 
Mas que também é uma grande magia."

"No fundo, só o que vivemos importa. Não é o que temos, é quem somos."

"Hoje, que sou mãe, sei que seu amor é demonstrado de maneira diferente. 
Cada pessoa mostra o que sente como consegue."

"Nem sempre somos nós que decidimos como os caminhos serão traçados."

"As mais longas jornadas começam com um primeiro passo."

"Saber que estar vivo ao lado das pessoas que amamos é um grande presente." 


Desgrávida - Jenni Hendriks & Ted Caplan



Editora: Faro Editorial
2020 - 253 págs
Sinopse: Skoob
Adquira: Amazon

Essa história começa nos mostrando uma adolescente desesperada por ter que fazer um teste de gravidez, sem entender como isso aconteceu já que sempre usou camisinha. Confesso que no inicio não gostei das atitudes de Veronica Clarke, mas a medida que a história foi sendo desenvolvida passei a entender seus motivos e torcer para que ela conseguisse encontrar o melhor caminho para sua felicidade. Pensava que fosse qual fosse a decisão final dela, que ela tivesse força para andar de cabeça erguida e conviver com as consequências. 

Garanto que os autores conseguiram me manter conectada a história até a última página. Esse é daqueles enredos que acontecem de tudo para atrapalhar a protagonista chegar ao seu destino, mas ela persiste e apesar das desventuras consegue chegar onde queria e acaba se autodescobrindo e resgantando uma amizade que a tempos tinha sido esquecida e com ela Veronica percebe que sua vida tem mais cor e vida. Amei e não vejo a hora de ver o filme!!!   

Desgrávida é narrado em primeira pessoa pela Veronica e garanto que tudo que ela viverá na estrada ao lado de Beiley a transformará numa pessoa melhor e ajudará a amiga a ser alguém mais forte, superando algo do passado. 

Veronica se vê desesperada porque uma gravidez aos 17 anos não estava nos seus planos, planos esses que ele dedicou totalmente a uma vida acadêmica impecável e agora prestes a se formar com honras e já aceita com bolsa de estudo na universidade de Brown. Ela não consegue ver a mudança desses planos como uma possibilidade, nem quer desecepcionar os pais, já que ela é a primeira da família a ir a universidade e seus irmãos já são cheios de filhos e ela não quer isso pra sua vida. 

Ela decide sozinha fazer "um procedimento" só que para isso ela teria que ir a Albuquerque, Novo México. Após conversar com o namorado Kevin e ter a maior decepção da sua vida acaba tendo a ideia de pedir a ajudar de sua amiga de infância Beiley e ai começa a aventura dessas duas amigas. 

Vocês nem imaginam, mas garanto que essas duas meninas tem uma luz que as protegem por conseguirem escapar de todos os perigos que elas passam na estrada e sairem ilesas, só em livro e filme mesmo. 

Mas foi emocionante acompanhar as loucuras que testaram, reaproximaram e fortaleceram os laços dessas duas amigas. Para mim a maior mensagem desse livro!!! Leiam, garanto que vocês não irão se arrepender. Um livro que fala de um tema polêmico como o aborto de forma leve e divertida, porque o foco acaba sendo tudo que cerca essa ato e não só o poder e não poder ditos por religiões e leis sociais. 


"É muito clichê ser a rainha do baile de formatura e a oradora da turma 
e ainda ter uma gravidez cristã." pág.16

"Contive um gemido. Bailey sabia que Kevin era meu namorado. Toda a escola sabia. Ele era a estrela do time de futebol. Tocava na banda da igreja. Todos gostavam dele, até os meus pais. Com certeza, suas notas não eram excelentes, mas seu senso de humor idiota mais do que compensava aquilo. E, mais importante, ele era totalmente afeiçoado a mim. 
Apenas Beiley podia ter um problema com Kevin." pág.17

"Se ninguém soubesse, seria como se não tivesse acontecido. Eu ainda poderia continuar sendo eu: Veronica. O tipo de garota que tirava notas excelentes, ganhava bolsas de estudo e não engravidava sem querer." pág.31

"E se realmente foi um erro único? E se foi apenas um impulso estúpido? Talvez ela estivesse cansada de sempre ser tão perfeita. Ela erra uma vez e agora toda sua vida desmorona? Não parece justo." pág.33

"Elas eram as minhas melhores amigas, mas não para dizer algo assim. Nossa amizade se baseou em sucessos e não em fracassos." pág.39

"Bem acima de mim, com o vento desgrenhando seu cabelo, ela parecia pronta para uma aventura. Bailey parecia livre. Uma liberdade que eu nunca tinha sentido em toda a  minha vida. Sobre mim havia muitas expectativas, muitas obrigações para me reprimir." pág.67

"A questão não era que eu não sabia como me divertir. 
A questão era que Bailey era doida de pedra." pág.77

"Você é irresponsável, impulsiva e criminosa. Mas neste momento também é minha única opção. Então, sim. Estou voltando a usar o pronome "nós"." pág.80

"Você disse que era uma viagem de carro, e não uma maratona." pág.111

"Senti uma sensação de bem-estar. Ainda nos entendíamos sem nos falarmos. 
Talvez nossa amizade tivesse conserto." pág.131

"Estávamos ambas apavoradas, ofegantes e correndo em direção a uma mata que parecia ter saído de um filme de terror, mas o brilho nos olhos de Bailey me disse algo. (...) Aquilo era ridículo, mas não podia ignorar o fato de que minhas endorfinas estavam fluindo e eu me sentia totalmente viva." pág.142




Brasileiro Inesquecível (Conto) - Aline Sant'Ana


Autora: Aline Sant'Ana
Adquira Amazon
Kindle Unlimited
2019 - 92 págs.

Aproveitei meus últimos dias de Kindle Unlimited e li o quarto conto da série maravilhosa 'Sem fronteiras para o amor' e garanto que mais uma vez a autora prendeu minha atenção até a última página e me deixou apaixonada por mais um casal. E esse garanto que com uma história de amor que vencerá o tempo e a distância. 

Em 'Brasileiro Inesquecível' iremos conhecer Dario e Mariana, dois jovens que se conhecem no Rio de Janeiro e se apaixonam loucamente, mas ambos já sabiam que suas carreiras profissionais os afastariam. Ela iria para o Havai como estudante de oceanografia e ele seguiria carreira na marinha. Eles até tentam ficar juntos apesar da distância mas acabam se perdendo. 

Anos se passam e agora ele já é Capitão-tenente da Marinha e Biólogo e ela oceanógrafa especialista em corais, ambos estão de volta ao Brasil e um acidente ambiental proximo a Fernando de Noronha unirá novamente esse casal e colocará a prova tudo que sentiram e sentem um pelo outro e pelo amor ao mar.

Uma história linda e empolgante de ler. Daquelas que deixam 'nosso coração quentinho' como as romanticas costumam falar. Só leiam, garanto que não irão se arrepenser. 




"Depois de mais de uma década, 
ainda havia uma saudade de tirar o fôlego."

"Fomos interrompidos pela vida, porém, Mari se manteve 
em meus pensamentos. E agora ... ela estava ali."

"Fomos jogados novamente na vida um do outro, 
e eu não queria fazer nada além de agarrar essa chance."

"Uma amor que nunca morreu, que nunca se afastou, 
que ficou oculto nas sombras com medo de ser encontrado."

"Àquela altura, eu não me importava se fôssemos durar 
minutos ou uma vida inteira, eu só queria aquela 
mulher o quanto pudesse tê-la."

"Um brinde às pessoas que perdemos e que podemos reencontrar."



Série Sem Fronteiras para O Amor:

Japonês Prometido (conto) - Aline Sant'Ana


Autora: Aline Sant'Ana
Adquira Amazon
Kindle Unlimited
2019 - 83 págs

Esse é o terceiro conto que leio dessa série e simplesmente amei. Dessa vez nossa viagem será para o Japão, mais especificamente para Tóquio e sua cultura milenar, apesar da autora não se aprofundar nos detalhes culturais, ela consegue informar seus leitores que apesar de toda modernização e avanços tecnológicos, a tradição e os costumes ainda se mantém vivos em muitas famílias. 

Ela fala muito de respeito e a forma como os jovens acatam as ordens dos pais, mesmo discordando deles. Em 'Japonês Prometido' iremos conhecer Sakura, uma jovem de 21 anos que sonha em aprender a 'luta da paz' AIKIDO, mas seu pai não permite. Ela fica sabendo que seu pai junto com um futuro sócio querem que seus filhos se casem porque seria perfeito para os negócios. Ela acha um absurdo, mas quando fica sabendo que ela só teria que se comunicar com o 'noivo' pelo celular durante três meses, antes do 'encontro' que decidiria sua vida e que ainda poderia praticar o aikido ela aceita.


A forma lenta como tudo vai acontecendo é muito envolvente, os capítulos são alternados entre Sakura e Takeshi, o professor de aikido dela. E como não poderia deixar de acontecer eles se envolvem e o drama começa porque ele não pode se envolver com uma aluna e também tem outro alguém e ela está noiva. Garanto que a autora sabe prender a atenção do leitor porque fará os dois refletirem muito sobre seus desejos, sentimentos e responsabilidades com a família. Garanto que o final é daqueles bem românticos, ao estilo dia dos namorados. 

Adorei e mais uma vez indico, a Aline Sant' Ana  sabe o que faz. Ela  cria cenários e personagens tão envolventes que o leitor embarca de cabeça na história, sentindo saudades ao virar a última página. 


"Eu ia baixar a cabeça, dizer que tudo estava bem, 
enquanto planejaria em suas costas uma fuga."

"Ele pediu três meses de contato diário com você pela internet 
para depois haver uma resposta do possível encontro."

"Por isso entrei no aikido anos atrás. Era mais fácil buscar uma arte marcial que possuía o foco na paz interior e exterior 
do que lembrar do caos que era a minha vida."

"O objetivo do aikido era apenas imobilizar o inimigo."

"Eu era antipático. Me mantinha distante de todos os tipos de relacionamentos pessoais, especialmente com desconhecidos."

"Fechei os olhos, me lembrando das aulas que tive com ele. 
Da maneira que ele não sorria, mas, ainda assim, 
parecia ser o homem mais bonito que já vi."

"Acredito que a rebeldia te trouxe a um caminho de aprendizado 
e sabedoria. Vai encontrar no aikido mais sobre si mesma 
do que jamais aprenderia no decorrer de uma vida. 
E um caminho de paz interna e amor."

"Depois daquele sorriso que Sakura me deu, 
foi como se algo despertasse dentro de mim (...). 
Uma peça se encaixando, algo que faltava se completou."

"Ele estava me fazendo sentir todas as coisas 
mais estranhas do mundo, inclusive, amor." 

"Beijar Sakura era como estar com asas abertas no céu."

"O problema do amor é que esse sentimento 
é sempre audacioso o bastante para superar a razão."

"Fui me encantando aos poucos até eu ser incapaz 
de não pensar nele, sonhar com ele, desejá-lo."




                                              Série Sem Fronteiras para O Amor:

Lançamentos Junho - Farol Editorial!!!



Oi gente linda, todos bem!? Espero que sim. Hoje venho apresentar para vocês os lançamentos da editora parceira aqui do blog a Faro Editorial e posso garantir que pretendo ler os dois títulos e trazer minha opinião para vocês. São livros bem interessantes. Vamos conhecê-los um pouco mais.


"A história das ilusões e loucuras das massas" vai falar sobre diversos episódios de caos coletivo ao longo da história: caça as bruxas, as Cruzadas, os primeiros criadores de especulações financeiras, as guerras, etc. É um livro interessante para quem quer entender mais sobre comportamento humano em tempos de crise.


O novo romance da J. Sterling, "Quase Rivais", daqueles que fazem a gente suspirar por dias. Nesse livro teremos uma releitura de Romeu e Julieta - mas sem morte né, por favor! - entre Julia e James. Os dois são de famílias rivais nos vinhedos da Califórnia e cresceram entre a rixa das famílias e tendo que se odiar, mas a gente sabe que ódio e amor andam lado a lado né... 
 
E então, gostaram!? Eu fiquei muito curiosa e ansiosa com os dois!!!