Três Amores - Roberta Martins


Autora: Roberta Martins
Editora: Jaguatirica
2016 - 163 págs.
Sinopse: Skoob

No ano passado quando a editora Jaguatirica me convidou para fazer as primeiras impressões de Três amores da autora nacional Roberta Martins fiquei feliz em conhecer o trabalho de mais uma autora talentosa. Foi um prazer receber o livro físico esse ano e poder ler com calma essa história que apesar de ter poucas páginas, apenas 163, tem um enredo bem elaborado que faz um mix entre a vida de uma família e sua luta por um mundo melhor e as mudanças políticas que o Brasil sofreu da Ditadura militar até os dias atuais. Achei muito interessante a forma como a autora envolveu os personagens e acabou envolvendo o leitor (no caso eu) nessa reflexão do passado e suas consequências para esse presente desastroso politicamente que estamos vivenciando.

Confesso que às duas únicas coisas que me incomodaram no livro foram: a narrativa não cronológica, o passado e presente se misturavam ao longo do texto (e não tinha nem uma letra diferente para localizar o leitor dessa mudança) então às vezes eu estava lendo e me perdia sem saber a que tempo era referente, entendendo só no fim do mesmo. Fiquei incomodada também com o tamanho da fonte, nossa se fosse um pouco maior com certeza eu teria lido em bem menos tempo.

Apesar dos pesares gostei de acompanhar a vida de Caruso, Ângela e Paty. Cada um com sua forma de ver o mundo e seu jeito de fazer o melhor para concretizar o que acreditavam. Além disso o sentimento de amor familiar que os unia me inspirou e me fez lembrar várias situações que vivi na minha família. Ou seja os personagens são muito reais, com seus erros e acertos, mas acima de tudo se respeitam e se amam demais.


(Fonte da imagem: Google - meramente ilustrativa)

Penso que uma das mensagem mais importantes do livro 'Três amores' é que devemos procurar o equilíbrio emocional e nossa realização entre família, profissão e crença de que o mundo pode sim ser um lugar melhor para todos e não devemos desistir porque muitos falam e praticam o mal.

"O problema é que novos autores querem ser geniais, procuram quebrar regras, querem mudar a literatura e acabam num enorme buraco. A vantagem da Roberta é que ela simplesmente quer nos contar uma história. Outros, diferente dela, esquecem da missão primordial da literatura: narrar uma história com personagens com os quais nos identificamos." Prefácio - Ignacio de Loyola Brandão 

"Dedico esse livro às pessoas capazes de amar sem se preocupar com retorno ou qualquer opinião alheia. Quando se dão conta de que o relógio dispara a contagem regressiva, parece que tudo vira sentimento (...) seja qual for o tempo que tenham: amém!" Agradecimento 

"Muitas vezes amamos e acreditamos ser amados, mas não há um instrumento que possa medir a quantidade de amor que é exalada, que é doada . E, muitas vezes, não nos damos conta  de que não retribuímos. (...) Me deparei diversas vezes com pessoas que passaram a se amar após uma desilusão, um susto, um medo,meu uma tragédia. Por que precisamos disso para amar?" Epílogo 

É isso meus amores espero que eu tenha conseguido despertar a curiosidade de vocês para ler 'Três amores' garanto que é um leitura envolvente, com um enredo inspirado na realidade e o melhor bem atual. Fica a dica de leitura nacional!!!!



Obrigada por visitar, ler e deixar sua opinião!!! 
Não esqueça de deixar o endereço do seu blog para que eu possa retribuir seu comentário, ok!!

7 comentários:

  1. Olá,
    Fico muito feliz que tenha gostado da leitura mesmo com esses dois pontos que te incomodaram.
    Estou curiosa para conferir como a autora abordou o tema e ainda não li nada que abordasse sobre o período da ditadura e relacionasse com o presente, mas creio que essa falta de indicação cronológica me deixaria um pouco perdida.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  2. Oi, Aline!
    Adorei a resenha. Olha, eu adoro essa editora... Ela publica uns livros maravilhosos.
    Vou te dizer que adoro essa narrativa "confusa", hahaha. Estou num momento (talvez a todo momento, não sei) extremamente pós-moderno. Essa confusão anda me encantando.
    Também gostei da mensagem que o livro quer passar. Adoraria lê-lo.
    Um super beijo!
    Thami, Blog Historiar.

    ResponderExcluir
  3. Também li esse livro e amei a leitura. Apesar de fininho o livro tem uma mensagem muito forte onde o amor e o respeito é a principal mensagem que a autora quer nos passar. Respeito às diferenças, amor familiar... No início fiquei meio perdida como você na questão do tempo, mas depois percebi que Caruso sempre recordava das coisas do passado e Ângela fala dos acontecimentos do presente, daí a leitura fluiu melhor.
    Ótima resenha.
    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que máximo Thaísa que vc tambem leu, entendeu e gostou como eu \o/

      Excluir
  4. Em geral eu gosto de narrativas que misturam passado e presente, mas sei que às vezes pode ser confuso mesmo.
    Não conhecia o livro ainda, mas vou deixar anotado.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  5. o enredo me pareceu muito bom, mas fato de ter essa perda no meio da leitura de época, presente e passado, me deixa meio perdida e acabo perdendo a paciência.Não leria por esse motivo.
    Mas quem sabe um dia?!
    :D
    Beijinhos!

    #Ana
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Eu ainda não conhecia essa obra e fiquei bem curiosa, mas ao mesmo tempo bem receosa porque essa mistura entre os tempos em que se passam a história seria bem chata para mim também. Mas adorei poder conferir a sua resenha!
    Beijos.

    ResponderExcluir